Conhecida popularmente como “Sarna de ouvido”, a Sarna Otodécica é uma moléstia causada por um ácaro chamado Otodectes cynoti.

A sarna é uma das doenças mais conhecidas entre os tutores de cães, porém poucos sabem que existem vários tipos de sarna, inclusive uma que se origina no ouvido dos pets, conhecida popularmente como “Sarna de ouvido”. Chamado dentro da medicina veterinária como Sarna Otodécica, essa moléstia é causada por um ácaro chamado Otodectes cynoti que parasita cães, independentemente de sexo, raça, porte ou idade. Ao contrário de outros tipos de sarnas, a sarna otodécica não é uma zoonose, isto é, não é transmitida do animal para o ser humano.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
A transmissão desse parasita ocorre principalmente por contato direto do animal infectado com o animal sadio. Além de ser considerada uma enfermidade altamente contagiosa, o ácaro que dissemina a doença, tem um ciclo de vida bastante rápido. Para se ter uma idéia, apenas quatro horas em média depois que os ovos foram postos no ouvido dos cães, eles eclodem. É muito importante que se tome bastante cuidado com os animais sadios que convivem com o animal infectado, principalmente cães e gatos, pois eles podem ser rapidamente parasitados.
A sarna de ouvido, na maioria das vezes, é confundida com a otite (inflamação do ouvido). Esse erro no diagnóstico se dá devido à semelhança dos sinais clínicos apresentados pelo animal acometido. Geralmente, isso ocorre com tutores que consultam seus cães com balconistas ou tosadores de petshops. Assim como qualquer doença, a sarna otodécica quando se encontra na fase inicial, apresenta quase nenhum sintoma, passando facilmente despercebido pelo tutor.
Um dos primeiros sinais clínicos que um animal parasitado com o ácaro Otodectes cynoti é a coceira excessiva. Isso é encontrado basicamente em toda sarna, no entanto, nesse caso, se localiza unicamente na região da orelha. Animais que possuem orelhas pendulares (orelhas caídas) tendem a sofrer mais com essa condição, pois acabam traumatizando a orelha, acarretando assim um Otohematoma. E nesse caso, só a intervenção cirúrgica fará a correção. Juntamente com a coceira, normalmente o pet apresenta o sintoma de balançar a cabeça de um lado para o outro. É nesse sintoma que muitas pessoas confundem com a otite.Além da coceira e do balançar de cabeça, os cães podem apresentar um sinal clínico bem característico que é a alta concentração de cera no ouvido de coloração marrom escura.
Animais que estão bastante parasitados, podem apresentar também: Inquietude; Emagrecimento; Otite; inapetência entre outros sinais.
O diagnóstico deve ser feito unicamente por um médico veterinário devidamente registrado no CRMV. O histórico do animal, juntamente com o exame clínico minucioso, são bastante importantes para um bom diagnóstico. É importante que o profissional recolha amostras da cera do ouvido do pet para exame laboratorial. Isso ajuda para o  diagnóstico ser rápido e preciso.
O tratamento consiste em uma terapia medicamentosa específica escolhida pelo profissional médico veterinário. O prognóstico é muito bom, por isso é importante que o tutor siga a risca o protocolo medicamentoso.
A prevenção consiste em levar todos os cães que convivem com o parasitado para uma consulta. É importante também que o tutor examine a orelha do pet constantemente, a fim de encontrar alguma anormalidade.

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo
Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinária
Contato: george_medvet@hotmail.com