Trato meu cachorro como filho, isto é errado?

Iniciando o texto pela resposta, não, não é errado tratar seu cão como filho. Mas depende. Vamos à justificativa: desde que você cuide do seu cão como um filho para ser independente, seguro, confiante, apto para demonstrar comportamentos naturais, conhecedor das regras sociais, sem deixar de ser amoroso, carinhoso, amigo e companheiro, tudo bem. Na maioria dos casos, pais criam filhos para se tornarem educados em sociedade, seguros quando sozinhos e confiantes para resolverem situações adversas. É isso que você faz com seu cão? Em caso afirmativo, perfeito!
Em contrapartida, se você trata seu cão como um filho mimado, dependente, inseguro, autoritário, sim, é um problema tanto para o cão, quanto para quem vive com ele.
 Resultado de imagem para patinha do shih tzu
O senso comum dá a esta relação o nome de ‘humanização’. Entende-se que humanizar os animais é tratá-los como se fossem pessoas, conferindo a eles desejos e aspirações próprias a humanos. Certamente que projetar a outra espécie sentimentos inerentes à nossa não traz efeitos positivos a ambas.
A “humanização” dos cães tem uma via única na qual o humano é sempre beneficiado e o cão, a médio e longo prazo, quase nunca. Todavia, a palavra correta para descrever este comportamento não deveria ser nenhuma relacionada a ‘humanos’, uma vez que as atitudes atribuídas à humanização nada têm a ver com a relação entre pessoas saudáveis.
cachorro como filho
Em nome do amor, alguns optam por determinadas atitudes com os cães que não tiveram ou teriam com filhos. Vamos pensar juntos: um humano adulto carrega outro humano também adulto e saudável no colo durante um passeio no parque? Não seria estranho uma pessoa dar o almoço na boca de outra pessoa adulta e saudável apenas por acreditar que esta é incapaz? Ainda, seria sustentável não sair de casa porque um filho adulto não fica sozinho e, se isto acontece, grita e chora a ponto de o síndico intervir?
Pois é. Não tratamos humanos saudáveis desta forma caricata. Mas é possível ver pessoas fazendo isto com os cães. É por isso que acredito que a palavra correta não deveria ser ‘humanização’ dos cães, pois não tratamos humanos saudáveis assim.




E qual a consequência desta forma de relacionamento entre cães e pessoas?

Quando o cão é tratado de forma “humanizada”, ou seja, como um filho mimado, as consequências mais comuns de tal tratamento são:

Para o cão:
  1. Ansiedade por separação (potencial causa de abandono)
  2. Transtornos compulsivos (latidos em excesso, lambeduras, estereotipias, etc)
  3. Insegurança
  4. Medos e fobias
  5. Supressão de comportamentos naturais à espécie
  6. Baixo interesse social (com a mesma espécie)
cachorro ansioso
Para as pessoas:
  1. Criar uma relação de dependências, acreditando que seu cão não vive sem sua presença
  2. Isolamento social, pois os cães passam a ocupar o lugar que poderia ser preenchido por outro humano
  3. Projetar necessidades e expectativas que não existem
  4. Acreditar em emoções caninas que não têm nenhum benefício adaptativo para a espécie, como: vingança, rancor e birra.

E como podemos reverter este quadro?

  1. Desejar um cão mais independente, confiante e seguro.
  2. Não projetar nos cães emoções que não existem
  3. Adotar medidas que construam uma relação mais independente entre o tutor e o cão, como, por exemplo: ensinar o cão a ficar sozinho em casa.
  4. Criar uma rotina com atividades ao ar livre
  5. Buscar sociabilizar o cão, com aulas de adestramento em grupo, passeios em parques, viagens pet friendly e Day Cares.
  6. Ser cauteloso nestas mudanças, pois o cão precisará passar por uma nova adaptação.
  7. Respeitar a individualidade do pet: embora seja muito amado e seja parte da família humana, um cão é um cão.
Que tal darmos o tratamento respeitoso aos nossos amigos caninos, conferindo a eles a possibilidade de expressarem seus comportamentos naturais, tal qual nós gostamos de, também, expressar? Nem mais, nem menos: exatamente cães amigos, amados, sociáveis, saudáveis e inseridos na nossa família. Pense nisto e viva feliz com seu cão!

   Fonte:petlove.com.br