Veja 5 comportamentos estranhos de seu SHIH TZU que indicam que ele tem graves problemas de saúde

Quase todo mundo tem um animal de estimação, embora eles sejam bons parceiros de vida, não podemos nos comunicar verbalmente com eles, o que praticamente nos deixa cegos sobre muitas coisas que acontecem com eles.

Isso acontece também com shih-tzu, pois apesar deles serem muito inteligentes, eles também não podem verbalizar o que lhes acontece e, em alguns casos, pode ser tarde demais quando notamos que eles estão com algum problema.

Pelo tanto que amamos nossos Pets, temos obrigação de observar se eles têm qualquer um dos comportamentos listados abaixo, para garantir que nossos companheiros inseparáveis não estão com nenhum problema.

1. Correr atrás do rabo


Se você tivesse uma cauda, você também não a perseguiria? Este comportamento é simplesmente uma forma divertida do seu shih-tzu gastar seu excesso de energia.

Mas você deve observar quando ele faz isso mais do que o necessário, pois pode indicar um problema com as glândulas anais ou uma dermatite alérgica a pulga.

Em outros casos, esta persistência ao perseguir a cauda, pode ser um sinal de um transtorno obsessivo-compulsivo. Se você observar que esse comportamento se torna repetitivo, leve-o ao veterinário.

2. Virar a cabeça


Assobiar, falar com uma voz aguda ou até mesmo fazer ruídos estranhos, pode gerar um dos comportamentos mais fofos e divertidos dos shih-tzu: eles inclinam a cabeça para um lado.

Não se sabe exatamente por que os shih-tzu viram a cabeça dessa forma, mas os especialistas em comportamento canino especulam que eles estão realmente tentando fazer sentido do que ouvem.

Eles também estariam tentando aperfeiçoar uma técnica para descobrir se o que estamos dizendo desembocará em algo divertido ou gratificante.

Outra razão pela qual um shih-tzu pode inclinar a cabeça é porque isso melhora a qualidade do som e estão tentando determinar com mais precisão a localização do mesmo.

Se esse comportamento de inclinar a cabeça para um mesmo lado ficar repetitivo, sem ter gatilho óbvio, ele pode ter algum problema médico e deve ser levado a um veterinário.

3. Tosse


Se a tosse do shih-tzu é persistente, é um dos sintomas mais claros de que ele necessita ser avaliado por um veterinário.

A tosse crônica pode estar relacionada a doenças cardíacas, vermes no coração ou doenças pulmonares. Pode ser o caso de que o cão tenha uma "tosse do canil", uma traqueobronquite infecciosa que provoca uma forte tosse seca.

Para a maioria dos shih-tzu, estes episódios duram cerca de duas semanas e depois desaparecem, mas para alguns, pode levar a uma pneumonia fatal.

4. Dormir demais


Embora todos os shih-tzu começam a acalmar e a descansar mais à medida que envelhecem, há algumas condições médicas que também causam que o shih-tzu durma mais do que o normal.

Uma razão na qual os veterinários acreditam é a depressão. Os cães podem ficar deprimidos por alguma mudança de rotina abrupta, tal como a adoção ou perda de um parceiro com o qual viveram por um longo tempo.

Outra causa que pode causar este comportamento é o hipotireoidismo, que faz diminuir a sua função metabólica e, assim, aumenta a sonolência.

5. Pressionar a cabeça


Quando o proprietário de um shih-tzu vê pela primeira vez esse comportamento, pode não saber como interpretá-lo.

No início, sem o conhecimento do potencial e perigo do significado deles pressionarem a cabeça contra algum lugar, a primeira coisa que você pensa é que o seu shih-tzu é bobo ou está fazendo isso por diversão.

Infelizmente, isso muitas vezes não é o caso e por isso é tão importante sermos capazes de reconhecer este comportamento antes que seja tarde demais.

A resposta de por quê eles fazem isso não é simples, mas as causas podem ser tumores localizados perto do crânio e no cérebro do animal, toxinas, como o chumbo, que entram no corpo, um distúrbio metabólico ou um traumatismo craniano agudo.

Vendo a gravidade do caso, é importante você ser capaz de identificar o caso o mais rapidamente possível para levá-lo a um profissional.

Fonte: vetSTREET