Dicas para ter um shih tzu educado


Costumo receber muitos e-mails de proprietários de cães ainda filhotes preocupados em fazer o máximo para que seus cães tenham um bom temperamento quando adultos. Sempre há a dúvida de qual o fator será mais importante para determinar esse futuro: se o temperamento original do filhote; ou se será o jeito que este será educado.
Os 2 aspectos são muito importantes. Não há dúvidas que cães com temperamentos mais afáveis são educados com muito mais facilidade do que os mais teimosos. No entanto, um filhote teimoso pode perfeitamente tornar-se um adulto educado e calmo, se seu proprietário souber lidar com ele. Não adianta achar que o filhote “virá pronto”, educado. Ele será um adulto educado se seu dono se dispuser a conhecer bem o mundo canino, e agir segundo as suas regras.
O problema é que muitas vezes “humanizamos” o cão atribuindo a ele sentimentos e “pensamentos” típicos dos humanos, e não dos caninos. E aí se dá a confusão! Cães e crianças são diferentes. Com as crianças nós temos muitos anos para educá-las, e podemos explicar racionalmente porque determinada atitude é desagradável, e outra é muito bem-vinda; enquanto que para os cães este período se resume ao tempo que o cão leva para tornar-se um adulto. Se falarmos de cães de raça grandes, este tempo pode chegar até a 3 anos. Se falarmos, no entanto, de raças pequenas ou minis, este tempo se restringe a 1 ano. Ao tornar-se adulto, o cão já não estará apto para ter seu temperamento moldado devidamente.

A grande maioria dos proprietários, porém, tem pena do filhote, e acaba por deixar com que ele faça o que quer, e ainda assim esperam que ele se torne educado. Ora, se ele faz o que quer, é porque quem manda é ele; e se quem manda e ele, as regras também são dele. E nas regras do filhote todos os móveis e pertences da casa estão aí para serem mordidos, e porque não??? Da mesma forma, se ele for um macho, tem, sendo o macho alfa (líder), a prerrogativa de demarcar o território da matilha, que em linguagem humana quer dizer que ele se acha no direito de fazer xixi por todo o perímetro da casa para que seu cheiro fique lá. Em outras palavras, muitas vezes nós proprietários somos os principais culpados pelo mau comportamento de nossos cães. Na maioria das vezes, essa culpa se dá muito mais pelo desconhecimento da questão, do que simplesmente negligência. Ninguém quer um cão mal educado, muito pelo contrário. Mas nem todos estão de fato abertos a mudar seu jeito de lidar com o cão para que ele fique educado. Não são raros os clientes que me contratam para adestrar seu cão, acreditando piamente que só o cão deve modificar seu comportamento. Como se o cão tivesse que se ajustar ao jeito do dono, independente desse jeito ter ou não nexo no mundo canino.
Cães têm suas necessidades próprias, independente do dono querer, ou não. Os caninos são animais que vivem em grupo, com regras muito claras. Não há melhor manifestação de amor e dedicação a eles, do que conhecer suas necessidades e códigos. Não adianta pensar que cão se adaptará a qualquer coisa, porque isso não é verdade. Para ser um adulto com um bom temperamento o filhote tem que sentir que seu dono é um bom líder. Não adianta mimá-lo! Mimá-lo só fará dele um adulto chato, mais nada.
O que ele precisa é ser educado devidamente, isto é: o proprietário precisa saber incentivar o bom comportamento e a obediência ao líder. É assim que os cães educam seus filhotes. Da mesma forma é preciso reprimir os maus hábitos e a desobediência. Quanto mais clara for esta diferença, mais facilmente nosso filhote irá se comportar como queremos.
Ao mimarmos um cão estamos simplesmente nos eximindo da obrigação de educá-lo. Ele não será mais feliz sendo mimado. E como poderia? Ele será muito mais feliz se seu dono puder educá-lo bem, para que ele seja agradável com todos. E então, naturalmente ele receberá muito carinho. Todos adoram um cão educado! E nada faz dá mais felicidade a um cão do que sentir que é muito amado. 






                                                                                            Fonte:  http://www.dogtimes.com.br