Tudo sobre ração para cachorros

Origem, história, produção, rações para diferentes faixas etárias e para cães com necessidades especiais.

História e origem da ração

Para o melhor entendimento sobre as rações que fornecemos ao nossos animais, não podemos deixar de começar pela história.  Antigamente, os proprietários dos animais costumavam alimentar seus cães, com restos de caça, restos de comida, testículos de animais que acabavam de ser castrados, entre vários outros tipos de alimentos. Entretanto, começaram a perceber que essas comidas oferecidas para os animais não atingiam a exigência nutricional do cão. Além de não satisfazer as exigências nutricionais, haviam animais que adquiriam endoparasitas devido à alimentação ser crua, como também acontecia de morrerem em decorrência dos temperos utilizados na alimentação da casa.
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Em 1860, James Spratt criou a primeira comida comercial para os cães, chamado “bolo para cão”. Em 1907, o Sr. Bennett criou um alimento completo para os cães, que pudesse suprir as suas exigências nutricionais. Em meados de 1941, os alimentos para cães já eram vendidos em forma enlatada, onde era comum os tutores de animais comprarem esse tipo de produto. Com a intensa crise no mundo, devido à Segunda Guerra Mundial, as fábricas de latas para as rações, tornaram-se de uso exclusivo para armazenar a “ração dos soldados” que ficavam nas linhas de guerra. As rações que conhecemos hoje em forma de grãos, foram criadas em 1957, quando a Purina lançou a novidade no mercado e teve grande aceitação.

Composição da ração

Dentro das rações compradas em lojas especializadas, existem todos os nutrientes que um animal precisa. É uma ciência nutricional que envolve profissionais habilitados a fazer a dieta correta. Dentro das rações existem proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais, elementos estes que são adquiridos através de carne, vegetais naturais, arroz, trigo, grãos de milho, leite, vitaminas e etc. Os ingredientes são elaborados de acordo com a marca da ração e a faixa etária a que ela é destinada, ou seja, existem rações para diferentes situações.

A produção

Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Nas fábricas, a ração, para ser feita, passa por vários processos e etapas na linha de produção. Primeiramente, os operários, sob supervisão de um médico veterinário, pegam e pesam os ingredientes escolhidos pela marca e trituram até formar uma espécie de farinha. Em seguida, colocam numa máquina chamada de misturador, até eles ficarem de forma uniforme. Depois do processo de mistura, os ingredientes misturados são levados a uma máquina chamada extrusora, onde são feitos os grumos da ração do tamanho necessário para que o animal consiga se alimentar. Em seguida, a ração é levada a uma secadora de ar quente, por 30 minutos onde é ressecada a ração, deixando sem umidade. Depois da secagem, ela é jogada em um recipiente que se mantém girando e jogando flavorizantes e gordura, pois o flavorizante irá dar a boa palatabilidade à ração e a gordura serve como energia para o organismo do animal. Depois de preparada, a ração é pesada e armazenada em embalagens que contém todas as informações necessárias que o tutor e o profissional médico veterinário precisam saber.

Diferentes tipos de ração

Existem marcas de rações bastante famosas e de grande eleição pelos tutores de animais. No mercado, é fácil encontrar marcas de rações que não têm nome dentro do mercado, porém são de muito boa qualidade nutricional. As rações, como dito anteriormente, são destinadas para  tipos específicos de cães. Por exemplo: Cão filhote, cão adulto e até mesmo para cão idoso (sênior). Existe também a indicação conforme o porte do animal, se é porte grande ou pequeno. Em toda embalagem de ração, existem as indicações para em que situação utilizar. É sempre indicado a faixa etária que aquela ração pode ser ofertada. Jamais alimente seu animal com ração de faixa etária diferente, pois pode não suprir as exigências nutricionais do seu pet, podendo assim, levar a um quadro de deficiência nutricional. Aos cães filhotes deve ser dada uma atenção maior, já que os mesmo não conseguem, em alguns casos, mastigar a ração do adulto.

Rações para diferentes faixas etárias

As rações quanto à idade podem ser divididas em três tipos, que são:
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Ração para filhotes: Elas são encontradas com a consistência mais mole (úmidas) e com os grãos menores. Os cães a partir dos 45 dias de vida já podem consumir rações mais secas. É importante o uso de uma boa ração, já que o animal está na fase de crescimento. O animal na fase de filhote, tende a comer bastante.
Ração para adultos (a partir de 1 ano de vida):  Na fase adulta, o animal já passou pela fase do crescimento e só precisará se alimentar para suprir suas exigências nutricionais. É muito importante o controle para que o cão não se torne obeso. As rações, na maioria das vezes, vêm em pacotes maiores e com grãos mais secos. É importante que tenha um acompanhamento de um médico veterinário rotineiramente, para que o profissional passe a quantidade correta do animal ingerir.
Ração para cães idosos (sênior): Essa é a fase que o tutor tem que dar mais atenção à alimentação e à saúde do seu pet. Existem no mercado, atualmente, rações destinadas a cães idosos, onde os nutrientes suprem a necessidade dessa faixa etária. O animal quando chega a fase sênior, tende a comer menos e ser mais seletivo quanto à alimentação.

Ração Standard, Premium e Super Premium

Dentro do mundo das rações, existem três principais tipos de ração, quanto à sua qualidade nutricional. É comum nos depararmos com rações classificadas, como: Standard, Premium e Super Premium.
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
Standard: Também conhecida, como: ração regular, ração padrão ou ração popular, essa classe é uma das mais vendidas atualmente no Brasil, devido ao seu baixo custo. Assim como as outras, as rações standard passam por rigoroso padrão de qualidade. Um ponto negativo nessa ração, é que a qualidade/quantidade de proteína é inferior e também possuem ingredientes com pouca digestibilidade como a soja.
Premium: A ração premium é classificada como melhor que a standard. Ela possui mais digestibilidade para os cães. Contém uma porcentagem de nutrientes de origem vegetal maior que na ração padrão. É muitas vezes indicadas pelos profissionais para o tutor, já que é uma ração que tem um certo padrão de qualidade.
Superpremium: A superpremium é a ração mais indicada pelos médicos veterinários. Elas possuem em sua composição um índice de ingredientes de origem animal bem alta e é a que possui melhor digestibilidade pelo cão. Um ponto positivo da superpremium é que ela não usa praticamente corante em sua composição. Um ponto negativo é o preço mais elevado que nas outras rações, porém supre a exigência nutricional do cão de forma bastante satisfatória.

Rações especiais

Existem atualmente no mercado, rações que são destinadas para animais que possuem doenças graves e até mesmo para a obesidade canina. Um cachorro com Diabetes Mellitus, por exemplo, necessita de um cuidado maior em relação à alimentação. O açúcar se encontra na maioria dos alimentos, por isso é bom levar a um médico veterinário para escolher a ração própria pra a moléstia que o animal porta.

Ração canina e o câncer

Muitos adeptos da alimentação natural afirmam que a ração é cancerígena e faz mal à saúde do pet, porém animais reprodutores e de alto valor comercial têm em sua dieta, na sua grande maioria, a ração industrializada. As rações vendidas atualmente, passam por rigoroso controle de qualidade. Na hora de ser industrializada, é formulada e acompanhada por um profissional médico veterinário.
Tudo sobre ração para cachorros. Foto: Reprodução
A escolha entre ração e comida natural vai depender do tutor e do médico veterinário de sua confiança. Existem profissionais adeptos da ração e outros da alimentação natural. A comida natural que contenha verduras também podem ser cancerígenas, já que tem um índice altíssimo de agrotóxico. O uso da ração está sendo, aqui no Brasil, ainda a mais eleita pelos tutores. Um dos principais fatores é a comodidade que os tutores têm de suprir todas as exigências nutricionais do cão sem esforço. Quando se usa a alimentação natural, é de suma importância fazer cálculos e selecionar alimentos que supram por completo as exigências do pet.
O principal índice de surgimento de câncer não é na ração. Cerca de 94% dos aparecimentos de câncer em cães é devido ao manejo inadequado do animal, deixando o mesmo exposto a substâncias, medicamentos e a locais que podem predispor ao aparecimento do câncer e acabam culpando as rações pelos efeitos maléficos. Cada raça de cão deve ter um manejo adequado para si. Por exemplo: Um cão de pele clara, não pode ser exposto muito tempo ao sol, pode causar câncer de pele. O tutor fumando perto do animal, pode causar câncer de pulmão. Esses são alguns entre vários fatores contribuintes.
Uma alimentação não sendo 100% balanceada para o animal, pode ocorrer uma baixa na imunidade do animal, ficando ele predisposto a contrair doenças de diferentes naturezas. Um animal com uma alimentação correta e balanceada, pode ter uma vida mais longa do que aquele que tem deficiência nutricional. Uma ração de qualidade, e de grande valor nutritivo, faz com que seu animal goze de uma boa saúde. Consulte sempre um médico veterinário da sua confiança para indicar a alimentação correta do seu animal, orientando em como escolher a melhor ração para seu pet.

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo
Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinár