Branquicéfalos- cães sem focinho

O SOFRIMENTO POR TRÁS DE TODA FOFURICE

BRAQUICÉFALOS
Quem não conhece ou é apaixonado por um?
O termo braquicéfalo refere-se a um animal que possui uma mandíbula de comprimento proporcional ao seu tamanho corporal, mas com um maxilar superior de tamanho mais curto. As raças caninas braquicéfalas são: Boxer, Bulldog, Pequinês, Pug, Shih Tzu, Boston Terrier, entre outras. Estas raças foram selecionadas para, precisamente, apresentarem estas características físicas exageradas. O apuramento destas raças veio, no entanto, comprometer determinados aspectos da sua saúde. 

Características deste síndrome:





A síndrome respiratória dos braquicéfalos ou síndrome obstrutivo das vias aéreas dos braquicéfalos pode afetar várias áreas do sistema respiratório destes animais, conduzindo a dificuldades respiratórias. As características anatómicas mais comuns nestas raças, que estão presentes neste síndrome, são as narinas estreitas, o alongamento do palato mole e, menos comuns, são a hipoplasia da traqueia e a eversão dos sacos da laringe. Felizmente, na maioria dos casos, os animais não apresentam em simultâneo todas as características deste síndrome mas apenas uma ou duas. 

Consequências:






Narinas estreitas — O que reduz as entradas de ar a nível nasal. 

Palato mole alongado — O palato mole permite separar a cavidade nasal da oral e, por isso, quando o animal come, o palato mole fecha a cavidade nasal para que a comida não siga uma direção retrógrada. Nos braquicéfalos, o palato mole pode estar alongado, conduzindo a um estreitamento à passagem do ar. 



Hipoplasia da traqueia — A traqueia (o tubo que conduz o ar aos pulmões) está mais estreita em determinados locais do seu percurso. 






Eversão dos sacos da laringe — A laringe normal possui dois sacos pequenos. Num animal que se esforça quando respira, com o tempo, estes pequenos sacos viram-se para dentro da garganta, criando um estreitamento a esse nível e dificultando a respiração. 
Em resumo, estas características causam situações de estreitamento e obstrução a um ou vários níveis nas vias respiratórias, dificultando o trajeto do ar até aos pulmões. 
Os problemas que estão associados a este síndrome dependem destas características serem mais ou menos proeminentes e se apresentam uma ou mais em simultâneo, o que vai determinar a gravidade da situação. Os braquicéfalos podem apresentar apenas uma respiração ruidosa ou ressonarem, mas podem tossir com frequência, serem intolerantes ao exercício ou até sofrerem desmaios. 

Riscos acrescidos:




São animais com um risco anestésico elevado e correm mais risco do que outros de sofrerem um golpe de calor. O mecanismo normal para os cães perderem calor é aumentando a frequência da sua respiração. Nos braquicéfalos, situações de excitação, exercício ou calor espoletam este mecanismo, que não consegue ser eficiente nas vias aéreas constritas destes animais. Assim, não conseguem perder calor através da respiração, a temperatura corporal aumenta e desenvolvem um golpe de calor que coloca em risco a sua vida. O diagnóstico do síndrome respiratório dos braquicéfalos é realizado através da observação clínica e de radiografias torácicas. 

Correções a fazer:






O tratamento médico consiste em aliviar os sintomas quando ocorre inflamação das vias respiratórias. Para um tratamento definitivo, a correção cirúrgica é necessária nos casos em que os defeitos anatômicos interferem com a respiração. A ampliação das narinas e a remoção do excesso de tecido que constitui o palato mole são as cirurgias mais comuns. 







Os animais com características extremas deste síndrome, que dificultam a respiração, ou que tenham sido submetidos a cirurgias corretivas não devem passar este pesado fardo genético às gerações seguintes. Estes animais não devem ser usados para reprodução, devem ser castrados.



(FONTE :instinto.pt)