Leptospirose- CUIDADO

Lepstospirose- e enfermidade endemica, bastante comum em épocas de chuvas. É uma doença causada por bactéria, a LEPTOSPIRA ssp, afetando a maior parte dos animais inclusive o homem. É transmitida através da urina, água e alimentos contaminados pelo microorganismo, pela penetração da pele lesada, e pela ingestão. O cão e outros animais como por exemplo rato, bovino e animais silvestres também podem contrair a doença e transmiti-la.
A doença é causada principalmente pela urina que os ratos e os camundongos deixam, de preferência próximo a lugares onde encontram algo para comer: restos de comida de cachorros, lixo, ossos etc.. Um cão que logo pela manhã, no quintal ou no jardim, focinha o rastro de um rato e lambe um pouco da urina do roedor é, na maioria dos casos, condenado.


SINTOMAS NOS ANIMAIS:


Depois de 8-14 dias de contágio, manifesta-se a icterícia, o animal evacua água quase preta, vomita fortemente e morre depois de 3 ou 4 dias.
Os primeiros sinais clínicos observados nos animais doentes são anorexia, apatia, vômito e febre evoluindo para anemia, icterícia, poliúria, polidipsia, diarréia, a urina pode apresentar-se com sangue e aparecem erosões (úlceras) na boca ou língua. 

PROFILAXIA NOS ANIMAIS:


Para evitar a leptospirose a profilaxia indicada é:  


1. a vacinação anual do seu animal de estimação;
2. drenagem de águas paradas; limpeza de terrenos baldios;
3. colocação de cloro na água;
4. desinfecção e limpeza do local eliminando restos de comidas que possam atrair ratos e fechar hemerticamente as latas de lixo caseiro;
5. fechamento de buracos entre telhas, paredes e rodapés;
6. controle de roedores e animais silvestres;
7. isolamento do animal portador, tratamento; e todo material que entrou em contato com o animal deve ser desinfectado ou incinerado.
8. Uso de luva ao lidar com o animal doente.

SINTOMAS NOS HUMANOS:


Período de incubação é de 5 -18 dias. Na primeira semana a pessoa sente febre, cefaléia, mal-estar e prostração, dores difusas, principalmentenas panturrilhas, conjuntivas congestas, às vezes difusões hemorrágicas.
O homem infecta-se ao pisar descalço no solo ou fazer uso da água e alimentos contaminados. O número de casos de leptospirose aumenta quando ocorrem enchentes, devido ao fato de que o esgoto pode abrigar animais portadores da doença e eliminá-la pela urina no local, e quando extravasam atingem as pessoas contaminando-as.

PREVENÇÃO NOS HUMANOS:


Evitar contato com águas de enchente, ou utilizar proteção como botas de borrachas em locais alagados;
  • Proibir pessoas de nadarem ou lavarem roupas em águas suspeitas de contaminação;
  • Combater roedores, proteger alimentos e água de consumo;
  • Não utilizar água de poço inundado;
  • Prevenção em locais de grupos de risco: operários que atuam em limpeza de esgoto, córregos, e demais áreas sujeitas a contaminação, como lavouras irrigadas (arroz), através do uso de botas e luvas;
  • Lavar e desinfetar a caixa de água, assim como observar a perfeita vedação da mesma.
  • Diagnóstico - Deve ser laboratorial e o material a ser enviado é o soro.
    Tratamento - antibioticoterapia.
    Recomendamos, novamente, a vacinação do seu cão, procure seu clínico veterinário de confiança para que se estabeleça um esquema de vacinas que garanta seguridade a você, seus familiares e seu animal.

    BIBLIOGRAFIA CONSULTADA: 


    - GEARY, Michael - Tudo sobre cães. Círculo do Livro, São Paulo -1978.
    - GYGAS, Théo - 1000 perguntas 1000 respostas, São Paulo - 1975
    - Informe Epidemiológico do S.U.S., Fundação Nacional de Saúde, 1996, Brasília.
    - Publicação da Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde, Divisão Nacional de Zoonoses, 1987, Brasília.


    Lúcia Helena Salvetti De Cicco

    Diretora de Conteúdo Editota Chefe