Desidratação em cães

Desidratação
"Desidratação é uma doença potencialmente grave que se caracteriza pela baixa concentração não só de água, mas também de sais minerais e líquidos orgânicos no corpo, a ponto de impedir que ele realize suas funções normais." (Dr Drauzio Varella)

A desidratação nos animais pode ocorrer por diversos motivos. Vômito, diarreia  febre, não beber água em quantidade suficiente, alta exposição ao sol, doenças renais, diabetes, etc... A desidratação, que ocorre por uma perda excessiva de fluidos pode ser uma condição freqüente e perigosa que precisa ser rapidamente tratada. A desidratação que não for tratada pode levar a graves conseqüências, incluindo falência nos órgãos e morte. Por isso é de extrema importância reconhecer quando um animal se encontra desidratado.


Tipos de Desidratação:
  • Desidratação Isotônica
  • Desidratação Hipotônica
  • Desidratação Hipertônica
Desidratação Isotônica
Tipo mais comum de desidratação, tem como sintomatologia a diarreia e os vômitos  É caracterizada por perdas proporcionais de água e electrólitos.
Desidratação Hipotônica
É a forma mais grave de desidratação. Caracteriza-se por uma perda de electrólitos superior à de água. Tem como principais causas, por exemplo, a diarreia e os vômitos de animais com subnutrição grave.
Desidratação Hipertônica
Outro tipo de desidratação grave, dá-se quando a perda de água é maior que a de electrólitos.
Img:yourownvet
Sintomas:

Boca - Observe se a língua e gengivas estão úmida ou seca. Se estiverem secas, o animal de estimação pode estar desidratado. 
A salivação é espessa ou liquefeita e abundante ? Normalmente, a saliva é aquosa e pouco visível. Se espessa e pegajosa, é indicativo de um quadro de desidratação.
Observe se quando pressionada a gengiva do animal, demora mais de dois segundos para o sangue voltar. Caso sim, existe alteração.
Olhos- Sua aparência é normal ou parece afundado nas órbitas? 
Pele-  Puxe a pele do cão em algumas zonas do corpo. Se a pele for lenta a retornar à posição inicial, o animal está pelo menos 5% desidratado. Se a pele não retornar inteiramente a sua posição, o animal está 10-12% desidratado e é provável que se encontre em condições críticas.
É importante lembrar que a elasticidade da pele em animais obesos e muito magros são mais difíceis de detectar.
Letargia- Fraqueza, cansaço e aumento da frequência cardíaca também podem estar associados aos episódios de desidratação.

Além desses sintomas, que se intensificam com o agravamento do quadro, nos casos de desidratação grave, podem surgir outros, como queda de pressão arterial, perda de consciência, convulsões, coma, falência de órgãos e morte.


O que  fazer ?

-Em casos leves (em que a pele do animal mantém sua elasticidade), leve-o para um ambiente fresco (não frio), procure hidrata-lo por via oral (água de coco é uma boa opção). Ofereça em pequenas quantidades ,até que apresente melhoras
-Tratando-se de um acontecimento moderado ou severo, deve procurar urgente um médico- veterinário. Nesses casos ele precisará de administração subcutânea ou intravenosa de soro .

Atenção!

Cuidado- não deve ser permitido que o animal de estimação tenha o acesso livre imediato à água ou a outro líquido. 
- não deve ser oferecido como alimento nenhum alimento seco (como a ração e deve ser mesmo evitada a própria ração úmida). 

Causas:

- animal exposto ao calor excessivo
-falta de acesso a água
-vômitos  
-diarreia
-hipotermia
-febre
-doenças como diabetes ou  insuficiência renal 

Se o animal se encontrar em estado de desidratação o ideal é levá-lo no mesmo instante para que um médico possa fazer uma melhor avaliação. A desidratação pode ter diferentes graus, porém, assim que diagnosticada deve ser tratada. Normalmente para reidratar o animal é feita a administração de soro por via subcutânea ou intravenosa.
De qualquer forma recorra sempre a assistência de um médico-veterinário .Nunca tente solucionar a situação por si.
Fontes pesquisadas:
www.hospvetprincipal.pt
www.bichosbrasil.com.br